domingo, 13 de maio de 2012

Fátima Travassos – já vai tarde...


 Travassos: fim de mandato
aguardado por todos no MP
Depois de uma administração recheada de atos polêmicos, a vianense Fátima Travassos já arruma as gavetas para deixar o comando do Ministério Público Estadual. Fátima faz parte da elite burguesa da cidade dos lagos. Integra a Academia Vianense de Letras sem ter publicado sequer um artigo que se tenha conhecimento. Em fevereiro de 2010, reuniu uma plateia no Grêmio Cultural para uma audiência pública que discutiria o plantio de arroz no lago de Viana. Leia aqui matéria correlata. O artigo da audiência, estranhamente sumiu do site do MP) O seu mandato chega ao fim sem que essa ou outra medida que ajudasse a combater os desmandos em Viana saisse de sua gaveta.

O prefeito de Viana - um dos seus afilhados - se mantém no cargo (protegido) apesar de ter todas as contas reprovadas, e  de estar enrolado em inúmeras falcatruas. Agora, integrantes da Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Maranhão lançaram uma carta (leia abaixo) direcionada aos candidatos que disputam o cargo de procurador-geral de Justiça.

Tácito Garros: tirano na comunicação do MP,
segundo denúncia
O documento é um ato de coragem, no qual denunciam as arbitrariedades cometidas pelo chefe da assessoria Tácito Garros, que vão desde agressões verbais até proibição da veiculação de notícias de interesse público.

Espera-se que o próximo procurador-geral de Justiça atente para o conteúdo da carta e moralize a Assessoria de Comunicação do MP. 
Os signatários do texto propõem alguns caminhos para que a Comunicação ocupe lugar estratégico no Parquet.

PROFISSIONAIS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DIVULGAM CARTA ABERTA AOS CANDIDATOS À PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA

 CARTA ABERTA AOS CANDIDATOS

Neste período de mudança no comando do Ministério Público do Maranhão, nós, profissionais da Comunicação, vimos, por meio desta carta, esclarecer fatos que, infelizmente, atingiram nosso trabalho e propor um novo modo de relacionamento entre a Coordenadoria de Comunicação e a administração superior do MPMA, para que a comunicação institucional seja voltada ao interesse público e de todos os membros da instituição ao longo dos próximos anos.

O momento exige uma comunicação institucional realmente alinhada aos princípios da administração pública e que caminhe em sintonia com os atributos ministeriais, em parceria com o trabalho dos promotores e procuradores de Justiça.

Propomos que o nosso trabalho atenda às demandas de todos os membros, de forma democrática e irrestrita. Não concordamos com nenhum tipo de cerceamento da informação, sob pena de continuarmos em descrédito diante dos próprios membros e, principalmente, da sociedade.

É necessário e urgente criar mecanismos para resgatar o contato mais afinado com promotores e procuradores de Justiça. Como projetar a instituição na sociedade, se a Comunicação é alvo de infundada desconfiança por setores da administração? Por isso, é necessário trabalhar em harmonia, valorizando a parceria e fortalecendo a confiança mútua.

Nos últimos anos, a Coordenadoria de Comunicação foi dividida. Alguns de seus melhores profissionais concursados foram transferidos para outros setores por razões nunca esclarecidas. Fomos alvos de agressões, perseguições, xingamentos e ataques pessoais quase diários, que continuam sendo perpetrados pelo coordenador Tácito de Jesus Lopes Garros, embora as suas atitudes atuais sejam mais dissimuladas. Repudiamos mais uma vez tais agressões e o silêncio dos que foram coniventes com a prática aviltante do assédio moral.

O ápice do problema ocorreu, no dia 10 de junho de 2011, na sala da Coordenadoria de Comunicação da Procuradoria Geral de Justiça, quando a analista ministerial (Relações Públicas), Lucina Macedo Medeiros, foi agredida verbalmente, em pleno horário de trabalho e na presença de outros colegas, pelo coordenador de comunicação Tácito de Jesus Lopes Garros, que expressou o desprezo pela lei ao exclamar: “Então pegue a lei, durma abraçada com ela e seja muito feliz".

Lançamos então a pergunta, Sr(a). Candidato(a): como proceder diante de um profissional que repudia categoricamente a legislação em uma instituição responsável pela defesa, cumprimento e fiscalização da lei?

No caso, o mais estarrecedor é que o motivo da agressão foi o fato de a profissional ter se recusado a endossar uma irregularidade administrativa perpetrada pelo coordenador. Lucina Medeiros foi ultrajada por não aceitar se afastar do fiel cumprimento da lei.

Além disso, a condição de ascendência do superior hierárquico, que se valeu do poder instituído para agredir, torna o episódio ainda mais lamentável. Em pleno século XXI, no qual a mulher ocupa cargos estratéicos e demonstra sua capacidade de trabalho, a agressão à servidora também representa uma agressão a todas as mulheres.

A agressão motivou a abertura de sindicância, na qual foi pedido o afastamento imediato do acusado a fim de resguardar a integridade da profissional. Ainda assim, ele foi mantido no cargo, dividindo o mesmo espaço com a vítima e agindo como se nada tivesse acontecido. No momento, Tácito de Jesus Lopes Garros responde a outras sindicâncias e a um processo administrativo decorrente do resultado da primeira sindicância.

No nosso entendimento, de agora em diante, a Comunicação precisa ser tratada como um setor estratégico, que só pode ser gerido por alguém realmente capacitado e com formação na Área. O trabalho não pode ser desenvolvido com base em "achismos". As ações devem ser baseadas em um planejamento comunicacional fundamentado, para que o setor possa agir em prol da instituição, com reflexão e coerência, não apenas com o intuito de amenizar crises.


Por fim, reiteramos que o boicote à  divulgação de notícias representa um atentado ao direito à informação pública e uma prática inadmissível no Estado Democrático de Direito. Tal prática penaliza a sociedade. O exercício da dialética entre os membros não pode ser admitido, em qualquer hipótese, como justificativa para reter a divulgação de notícias de natureza institucional. Pelo contrário, o debate democrático se consolida com a pluralidade de opiniões mesmo que sejam completamente divergentes. Afinal, fazemos parte do mesmo Ministério Público e em nome desta instituição reafirmamos que os interesses e o trabalho do MPMA estão acima de qualquer divergência e interesses pessoais.

Ao próximo(a) procurador(a)-geral de Justiça, colocamo-nos à  disposição para colaborar, como sempre fizemos, independentemente de quem seja o(a) vencedor(a). O Parquet maranhense é uma instituição comprometida com os reais valores que regem a administração pública e estamos sempre prontos para desenvolver um trabalho sério, competente e honesto, comprometido com os objetivos da instituição da qual fazemos parte.

São Luís, MA, 11 de maio de 2012

Adriano Rodrigues

Eduardo Julio Canavieira

Francisco Colombo

Johelton Gomes

José Luis Diniz

Lucina Medeiros

Rodrigo Freitas

Com informações do Blog do Ed Wilson e do Blog do Marco D´ Eça.

4 comentários:

Rafael Santys disse...

Prezado Luiz,

Ainda bem que o tipo de parasita que Fátima Travassos se enquadra,tem remédio,e já era pra ser administrado de fato há muito tempo.Uma procuradorzinha,sem nenhuma competência técnica que chegou ao cargo,pasmem"por capricho da ex Dama a viúva Clay Lago,que simplementte frequentavam a renovação carismátca juntas e digamos trocavam afinidades!negócios de Fé.

De fato,poderia fazer muito pela moralização da justiça em relação a atuação do MP no nosso Estado,mas contribuiu ainda mais pra afundar o ministério Público.- o mais vergonhoso do País,a frente uma desequilibrada,e mais lastimável,uma conterrânea nossa.

O que estou afirmando,qualquer pode concluir é só analisar a carreira dela no comando do MP,até pedido de prisão foi cogitado contra ela,ou estou mentindo?foi noticiado pelos meios de comunicação do Estado,inclusive no seu blog.
Vários foram as sindicâncias contra Fátima,pelos demandos arbitrários cometidos por quem?Fatima Travassos!Mas como o cargo dela foi obtido não por competência,e sim por capricho,assim como todos sabemos como a familia dela chegou a ser burguesia,eu sei e todos sabemos ou pelos menos temos conhecimento de como.Talvez seja por sangue mesmo de chegar ao poder sem sacrifícios!

Luiz Antonio Morais disse...

Grato pela participação Rafael. Já vai tarde mesmo. O Ministério Público do MA merece coisa melhor mesmo, pelo bem da moralidade pública.

Sds.

Anônimo disse...

Quem sabe agora o TATU DE VIANA, TOMA O RUMO CERTO QUE É A CADEIA PRA ELE E TODA SUA CORJA DE LADRÕES. HAHAHA

Sergio Pinto
Santa Eulália

Luiz Antonio Morais disse...

Grato pela participação. Sds.