sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Cinegrafista é agredido e ameaçado de morte por vereador "brabão"


Vereador Pablo Sales
Nessa quinta-feira (23) a Câmara Municipal de Lago da Pedra foi palco de cenas agressivas  que mostraram o total desequilíbrio emocional do vereador Pablo Sales.

Ao perceber que o cinegrafista Antônio Alves, da TV Verdes Lagos estava com a câmera ligada, registrando momentos que antecediam abertura da sessão, o político partiu para cima do profissional fazendo ameaças e em seguida dando socos na câmera filmadora.

O episódio foi testemunhado pelos vereadores que se encontravam no recinto e pela equipe que fazia cobertura da sessão.

Todo o destempero do vereador foi registrado. Veja o vídeo!

A direção da emissora registrou um boletim de ocorrência e promete tomar todas as providências jurídicas para resguardar a integridade do seu funcionário e inibir o abuso de autoridade exercida pelo vereador. (Blog do Luis Cardoso)

No interior do MA, pai engravida a filha sete vezes



O juiz Alessandro Arrais Pereira proferiu sentença condenando Martins da Conceição à pena de 32 anos e seis meses de prisão. Ele foi acusado de estupro contra a própria filha, M. D. R. S., desde quando ela tinha menos de 14 anos de idade. De acordo com a sentença, ele a engravidou sete vezes. Maria da Conceição Rodrigues, esposa de Martins, foi absolvida das acusações.

Consta da denúncia do Ministério Público que os crimes imputados aos acusados consistem no fato de que o primeiro denunciado, agindo de forma livre e consciente, constrangeu sua filha à conjunção carnal, mediante violência física e psicológica e grave ameaça, quando a vítima contava com menos de 14 (quatorze anos) de idade, além de privar a aludida vítima de sua liberdade mediante sequestro e cárcere privado (também físico e moral) e de expor a perigo a saúde (maus tratos) desta e de sete menores.

“Interrogado em sede policial, o denunciado Martins da Conceição, friamente, confessou que abusou sexualmente de sua filha desde criança e as relações sexuais que mantinha com ela durante todo esse tempo resultaram no nascimento de 07 (sete) crianças, tendo a vítima engravidado pela primeira vez quando tinha apenas 15 (quinze) anos de idade. Igualmente, confessou que sempre privou a vítima e seus filhos/netos de liberdade, alimentação, saúde, educação e moradia digna, e que a segunda denunciada tinha plena consciência de todas as condutas delituosas praticadas por ele”, destaca a denúncia.

Ao acusado foi imposta a pena de 25 anos de reclusão aplicada ao crime de estupro continuado, mais a pena de 7 anos e seis meses de prisão relativos aos crimes de seqüestro e cárcere privado, resultando em pena total de 32 anos e seis meses de prisão, pena a ser cumprida em regime fechado na Penitenciária de Balsas.

O condenado, no entanto, poderá apelar em liberdade, em virtude de grave situação de saúde.

Aécio perde a chance de mostrar civilidade ao tripudiar Dilma


Não bastassem as grosserias, Aécio chegou a chamar a presidente de mentirosa, o tucano perdeu a chance de mostrar civilidade depois do debate no SBT. Ao ser questionado por Marina Silva, por telefone, sobre a agressividade na disputa, ele fez a seguinte indagação: "deu o desespero. Viu que ela passou mal no final?".

Uma atitude desproporcional e no mínimo reveladora do caráter do candidato. Melhor seria ele interromper o que fazia no momento e ir até a candidata para prestar solidariedade. Seria uma atitude altruísta, digna de um candidato ao maior cargo da República.

O tucano indiretamente reforçou o ódio dos seus apoiadores na rede social e nas colunas das mídias conservadoras. "Tá se sentindo mal? A pressão baixou??? Chama um médico cubano, sua grande filha da puta!", postou no Facebook o médico gaúcho Milton Pires.

Ao se referir à queda de pressão da presidente, o colunista Ricardo Noblat sai com esse acinte: “ela saiu nocauteada. Não é força de expressão”. A jornalista Rachel Sheherazade, acusada de fazer apologia e incitamento à tortura e linchamento, fez festa com o comentário de Noblat: "deu TILT no cérebro da Dilma! chama o SAMUUUUUUUUUUUU". Prosseguiu: "calma, gente! não se preocupem. o Brasil tem SUS, tem a melhor saúde pública, e tem ainda Mais Médicos. não faltará assistência à presidente ".

Enfim, esse é o triste clima de uma campanha que alimenta o ódio. É fundamental que prevaleça o debate sobre o que de fato está em jogo. São modelos políticos distintos e que precisam ficar cada vez mais evidentes. Por isso, proponho a Dilma que de pronto peça a Aécio para explicar como ele vai baixar a inflação sem desemprego e arrocho salarial. A receita dele nós já conhecemos.

Iram Alfaia
Jornalista
OB de comunicadores do PCdoB-DF

Até agora, marketing de Dilma está vencendo, diz Lavareda


A candidata à Presidência da República Dilma Rousseff durante a caminhada em Uberaba
Talita Abrantes Talita Abrantes, de EXAME.
São Paulo – Quando a campanha eleitoral começou oficialmente em julho, Dilma Rousseff (PT) sabia que teria uma missão difícil pela frente. O titubeio da economia e o sentimento de mudança oriundo das manifestações de 2013 já assombravam sua corrida pela reeleição – tanto que a presidente adiou ao máximo a campanha nas ruas.

O que ninguém pôde prever, evidentemente, foi que em um trágico 13 de agosto, Eduardo Campos, então terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto, seria vítima da queda de um avião.

A morte do ex-governador de Pernambuco não só embaralhou o cenário eleitoral como transformou a eleição 2014 na disputa mais imprevisível da História do Brasil desde a redemocratização.

“Nesta eleição, Dilma começa como franca favorita. Depois, Marina Silva era a favorita. E, finalmente, um terceiro momento em que Aécio Neves desponta como favorito. Nunca houve uma eleição assim”, afirma o sociólogo Antonio Lavareda, autor do livro “Emoções Ocultas e Estratégias Eleitorais” (Editora Objetiva) e presidente do conselho do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe).

No começo do segundo turno, o candidato do PSDB aparecia dois pontos à frente de Dilma. Na segunda, a corrida presidencial ganhou mais uma inversão inédita nas pesquisas: Dilma aparecia com uma ligeira vantagem sobre Aécio – apesar do empate técnico.

O cenário pode mudar nas próximas horas. De acordo com a coluna do Lauro Jardim, de Veja, a petista deve ultrapassar o limite da margem de erro e sair do empate técnico na pesquisa Ibope que será divulgada hoje.

O fato é que, faltando quatro dias para a votação, a disputa será voto a voto. Segundo Lavareda, ganha quem tiver a menor taxa de rejeição. No início do segundo turno, este era o trunfo de Aécio Neves que pontuava 34% neste quesito contra 43% de Dilma.

De acordo com a pesquisa do Datafolha divulgada ontem (22), a lógica se inverteu: 41% dos eleitores entrevistados afirmam que jamais votariam no tucano contra 39% que rejeitam a petista.

Para o especialista, a propaganda da petista teve um peso fundamental para esta inversão. "O marketing de Dilma está convencendo uma parcela expressiva [da população] de que ela representa mais mudanças do que o candidato Aécio", afirmou o especialista.

Confira trechos das entrevistas que Lavareda concedeu a EXAME.com no dia 14 de outubro e nesta quinta-feira, 23 de outubro.

EXAME - O que explica a virada de Dilma nas pesquisas no segundo turno?

Antonio Lavareda - Todas as informações que chegam aos eleitores são transmitidas através de três eixos. O primeiro deles é a imprensa, o segundo é a propaganda eleitoral e o terceiro são os debates. Ao que parece, até agora, o marketing da presidente Dilma está vencendo a batalha da propaganda eleitoral.

EXAME -  Então, qual o elemento da propaganda de Dilma que funcionou?

Antonio Lavareda - Em um país onde 73% da população reclama mudança, o marketing de Dilma está convencendo uma parcela expressiva de que ela representa mais mudanças do que o candidato Aécio.

EXAME - A melhora na percepção do brasileiro sobre a economia, segundo o último Datafolha, também é um trunfo para Dilma?

Antonio Lavareda - Não. Ambos candidatos estão manifestando um prognóstico otimista para a economia do país a partir da sua posse ou da continuidade, no caso da Dilma. Você tem uma soma de otimismos.

Os eleitores de Aécio estão dizendo que, no próximo governo,  a economia vai melhorar porque supõem que ele vai governar. Os eleitores da Dilma supõem que a economia vai melhorar porque acham que ela vai continuar governando.

EXAME - Qual foi o papel dos três últimos debates para estes resultados?

Os debates, até agora, têm sido importantes, mas, com certeza, não decisivos. Por exemplo, no último debate da Record, o candidato Aécio teria sido vitorioso [segundo o Datafolha]. Mas a mesma pesquisa também aponta que a presidente Dilma ultrapassou numericamente nas intenções de voto. Continue lendo aqui.